segunda-feira, 19 de maio de 2008

Amiga linda


Um dia encontrei-te, graciosa
Na berma da minha vida
Segurei-te nas minhas mãos trémulas
Com delicadeza e ternura
Receosa, que pudesses definhar
Plantei-te … bem profundo
No jardim da minha existência
Onde mais pulsava a emoção
Reguei-te todos os dias
Com o néctar da minha dedicação
Não murchaste, cresceste majestosa
Enaltecendo todo o meu viver

Hoje, relembro o passado
Contemplo o meu jardim
E vejo-te viva, radiosa, jovial
Ondulando ao sabor da brisa
Que me afaga o coração

És a flor mais perfumada
Das fragrâncias do meu jardim

Não és ouro, nem prata…
És muito mais do que isso
És a flor mais rara que existe
A mais meigamente amada
Enraizada dentro de mim.

Será que consegues sentir
A quão preciosa és para mim?

1 comentário:

Graça Lopes disse...

A...

È uma palavra tantas vezes profanada
Para que eu a profane,
Um sentimento tão falsamente desdenhado
Para que tu o desdenhes tambem
Uma esperança demasiado parecida com o desespero
Para que a prudência a reprima
E a piedade que vem de ti mais preciosa
Que aquela que de outra vem.

Shelleyplbhj