terça-feira, 21 de outubro de 2008

Sou simplesmente vida


O mar magnetiza o meu olhar
agita as mais incontroláveis pulsões
provoca um furor impúdico de sulca-lo
sem corpo, sem barco, sem inibições
somente com a vontade do querer

Plano a plenitude desse mar dócil
vislumbro muito além,
para lá do horizonte anil
onde o tudo e o nada acontece
em paralelos existenciais

Perco-me em ti, em mim…

Já não sou quem sou
sou abelha, saboreando
o néctar desse pólen primaveril
sou águia rompendo o firmamento
mergulhando no vazio do nada
sou brisa que docemente em ti sopro
sou gente que vagueia junto a ti
na orla invisível de mim

Sou simplesmente vida
que ocorreu em ti
neste poema que permanece
somente em mim

1 comentário:

Haere Mai disse...

Sou simplesmente vida
que ocorreu em ti
neste poema que permanece
somente em mim

Este mar!A minha paixão!
Percorro o horizonte
tento ver para além de ti.
Novos mundos vivendo em mim
Sulco águas de prazer para te encontrar
Além de mim e deste (a)mar!
Tão perto e tão longe
Tão perto de naufragar!

Beijo azul...Sempre!