quarta-feira, 9 de abril de 2008

Assim é a poesia

Soltam-se as palavras
Enjauladas
Num circo qualquer da vida
Soltem-nas
Deixem-nas falar
Cavalgar no papel
Pincelado com a tinta
Que a alma escreve
Deixem-nas juntarem-se
E livremente transmitirem
Sensações de liberdade

Não mais sufocadas
Não mais aprisionadas

Deixem-nas penetrar
Na descoberta da poesia
Saborear o mundo
Ensandecer-se com as cores
Vivas da fantasia
E pardacentas da saudade

Deixem-nas escolher
Vogais, consoantes, pontuações…
Formando sons dissilábicos
Ao sabor da melodia
Dos seus libertadores

Libertem-nas, cinzelando-as
Nas mais puras emoções do sentir
Deixem as palavras falar
O que os lábios calam
Mas a alma sente

3 comentários:

literatura disse...

Palavras soltas, meias-palavres, palavras, palavras e mais palavras... que seria da nossa vida sem elas?
Belo poema. Parabéns e brinde-nos com mais palavras. Eu voltarei.
Um abraço

ROSÁCEA disse...

Liliana

Adoreu seu spoemas, sua música favorita e as fotos que você fez.
Parabéns!!

Rosácea

Rui Caetano disse...

Um poema repleto de sensibilidade, um poema que sai lá de dentro do seu ser inquieto. Gostei.