sábado, 16 de janeiro de 2010

Poeta ferida


















DEDICADO A UMA POETISA ESPECIAL

Palavras viscerais e furibundas
Lavram o papel esfaimado
Chorando de ventre desnudado
A dor esviscerada da descrença
Impiedosamente soluças
Vocábulos desmembrados acutilantes
Que rasgam a íris perplexa
No negro da noite que se advinha

Cega pelos soluços atormentados
Ceifa-se a minha alma enegrecida
E nos poemas gementes que cinzelas
A marca da dor com que desvendas
As liberdades corrompidas
Dos meandros selváticos da vida
Tatuados na tua pele de poeta ferida

15/01/10

4 comentários:

Sonhadora disse...

Maravilhoso Poema.
Muito belo.

Sonhadora

Fê-blue bird disse...

Um poema nascido nas entranhas...Forte e poderoso!
Gostei mesmo!
Um beijinho

Versi D'Amori disse...

Liliana,

Em minhas andanças poéticas me encantei com um poema seu, e tomei a liberdade de postar em um de meus Blogs...espero que gostes.

Parabéns, seu Blog e poesias são lindos!!

Grande beijo,

Reggina Moon

www.versidamori.blogspot.com

www.versoeprosapoemas.blogspot.com

Anónimo disse...

Interessante o Seu texto.
Parabéns.
JC.