segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

A vida torna-se grito

Da roseira brava sem rosas
d`um jardim sepulcral
espreita os espinhos com dor
e nos caules amarelecidos
perde-se a clorofila sem cor

Cantam os pássaros sem asas
nas arvores desnudas de flor
uiva o vento em temporal
e as chuvas gotejam,
entristecidas
a fugidia luz color

No dia perfaz-se a noite
e a noite sepulcro d´ amor
na sombra escura do penhasco
o bramido mudo do Adamastor

E eis que….

Nas folhas desenha-se a gota
do espesso orvalho matinal
e na terra por arar, brota
a semente de todo esse areal

Das rosas vivas flúi o pólen
deste jardim intemporal
e na doce brisa outonal
sopra o aroma dourado
do vasto milheiral

E a vida torna-se grito
no silencio por falar

2 comentários:

Tanith disse...

Que lindo Liliana...amei ler teu poema! bjos..

CÉU ROSÁRIO disse...

“…porque metade de mim é partida e a outra metade saudade…”
“…porque metade de mim é o que ouço e outra metade é o que calo…”
“…porque de mim é amor e a outra metade também…”

Beijinhos e boa semana!