sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Visto-me de poesia


















Visto-me de poesia
Do mais belo traje que há
Caminho no jardim perfumado
Onde a vida acontece
Mesmo ali, ao meu lado

Cubro-me de lirismo
Do vermelho das rosas renascidas
Mergulho no pólen da vida
Onde brotam as palavras sentidas

Das palavras adubo a alma
No semear de versos enaltecidos
Na certeza certa de desbravar
Recantos ingloriamente escondidos

Vagueio ávida pelas palavras
Como um estranho vagabundo perdido
Bebendo em cada sílaba lavrada
O doce veneno proibido

4 comentários:

Nome - Sereia disse...

Muito profundo!!!
Amei o seu blog
Um beijo grande

Nome - Sereia disse...

Maravilhoooooooooooooso,um lindo dia....
Bjssssssssssssssssssss

Sereia disse...

Bom dia!!!!
Bjssssssssssssssssssssss

Sonhadora disse...

Lindo o seu poema, muito profundo
Vou voltar
Bjs