quinta-feira, 18 de setembro de 2008

Sento-me ao lado do tempo


Sento-me ao lado do tempo
do tempo que o tempo me dá
falo-lhe sofregamente
do tempo que já não está
ouço-o sorrir
em gargalhadas de luar
estremecendo-me docemente
como se me quisesse afagar
sinto-me seduzida
pelo tempo que o tempo me dá
pergunto-lhe porquê
se o tempo passado será.

E no silêncio do tempo
vislumbro a resposta
que meigamente o tempo me dá

2 comentários:

Novo Olhar disse...

E eu sento-me ao lado da tua alma. e vejo-te num tempo sem tempo...

Só assim, neste estar, onde o tempo guarda todas as lembranças de mim e de ti..


Liliana, este poema ficou lindo

Beijos
Dolores

☆Fanny☆ disse...

"...gargalhadas de luar..." Maravilha! Sabes usar bem as palavras. Encantei-me com a harmonia dos teus versos!

Um beijinho*

Fanny